VMS 2012 – 1º dia

0
836

O primeiro dia no Vitória Moda Show trouxe algumas novidades na passarela e incentivou os profissionais do futuro a aderirem a projetos de produtos sustentáveis.

A natureza e os reflexos da ação do homem sobre ela permeou todo o primeiro dia de desfiles do Vitória Moda Show. Além da decoração do espaços e lounges do evento ter seguido o tema deste anos (“Os Quatro Elementos – Ar, Terra, Fogo e Água – e a Sustentabilidade”), os estilistas também se preocuparam em levar o tema para a passarela.

Quem deu o pontapé inicial foram os novos talentos das universidades FAESA e UVV. Os alunos da FAESA usaram a criatividade para representas a destrição do homem, criar uma esperança de que tudo pode mudar e até mostraram looks com alternativas de materiais que reutilam o que um dia foi lixo. Já os alunos da UVV se inspiraram na cidade de Paris para construir seu desfile.

A Presidium desfilou pela primeira vez no evento. A marca já participa do VMS há algumas edições, sempre expondo seus produtos em um estande. Desta vez, resolveu levar as roupas para a passarela. A coleção casual, bem leve, da Presidium teve como tema a Amazônia brasileira. O tema ficou evidente nas estampas e em alguns acessórios femininos. A coleção não tem exageros e coloca um produto sincero na passarela. O que isso significa? Significa que a Presidium mostra o que tem de bom: produto de qualidade, com ótimo acabamento e adequado a seu público, que pode até ser jovem, mas prefere uma linha mais comportada e confortável. A marca não inova em modelagens, formas, mas traz apostas interessantes, como um tipo de shorts masculino cujo comprimento fica entre o shortinho e a bermuda. Para o feminino, camadas nos tops (peças da parte de cima), modelagens mais enxutas nos bottoms (peças da parte de baixo do look).

A Cobra D’Agua entra cada vez mais firme no conceito de estilo “surf urbano”. A cada ano, a marca reprisa seus produtos aplicando pequenas modificações visuais para marcar cada vez mais o tipo de público que quer atingir. Visualmente, a coleção não apresenta muitas novidades. Mas, como nem sempre o mais importante não está ao alcance dos olhos, é preciso pegar o produto nas mãos, chegar mais perto, para saber o que a empresa quer trazer de novidade.

O shape, ou a forma, das peças é quase o mesmo. A marca repete o shape sequinho, especialmente nas bermudas masculinas, aumenta a participação dos shorts mais compridos para os homens na coleção e a discrição para as mulheres.

Além disso a Cobra D’Água comemora a retirada de 100.000 garrafas PET da natureza, que foram transformadas em grande parte dos tecidos usados na coleção.

 

 

 

Deixe uma resposta